Escola com mensalidade de R$ 8.000 já tem 2.000 pais interessados em SP

Escola com mensalidade de R$ 8.000 já tem 2.000 pais interessados em SP

Nada lembrava crise no evento que reuniu, na noite de terça-feira (16), pais e filhos interessados em conhecer a escola Avenues, sediada em Nova York e que abrirá uma unidade em São Paulo com mensalidade em torno de R$ 8.000 –mais uma taxa anual de cerca de R$ 6.000.

Com lotação total, além de champagne, camarão e vinho à vontade, o evento, em um prédio comercial na Vila Olímpia (zona oeste), recebeu dezenas de pais com seus filhos, interessados no projeto da escola bilíngue que promete formar “líderes globais” em várias cidades do mundo.

As primeiras turmas terão início no segundo semestre do ano que vem. Mas, um ano antes de abrir as portas, a Avenues já recebeu em seu escritório de São Paulo 2.000 famílias, conta Alan Greenberg, cofundador. São crianças que, segundo ele, hoje estudam em quase 100 escolas diferentes.

Além dos pais, a escola também está movimentando o mercado de contratações nas escolas de elite de São Paulo. A mais recente foi apresentada no início do evento: Cristine Conforti, que deixou o Santa Cruz após quatro décadas e liderará a área de estudos brasileiros da Avenues.

Profissionais vindos de colégios bilíngues como St. Paul’s, Graded e Chapel School completam o time.

No total, 97 alunos dessas escolas, e de outras como Nossa Senhora das Graças, Porto Seguro, Vera Cruz e Santo Américo foram ao encontro desta terça-feira, junto de seus pais. Alguns ainda vestiam o uniforme da escola que pretendem deixar.

Quem não conseguiu vaga para o encontro terá que se inscrever em uma próxima edição. A participação em um evento do tipo é pré-requisito do processo seletivo da Avenues, que receberá inscrições até junho do ano que vem para 2.100 vagas.

A proposta da escola é ser uma instituição com diversos campi pelo mundo, pelos quais os alunos poderão circular. O primeiro é o de Nova York, onde estuda, por exemplo, Suri, a filha de Tom Cruise e Katie Holmes. Há ainda planos de expansão para o Vale do Silício, China e Londres, entre outros locais.

A aprovação em universidades de excelência é um dos pontos do projeto pedagógico, mas a proposta também tem princípios presentes em escolas construtivistas.

Um exemplo é a disposição das salas. Não se verá na Avenues alunos enfileirados. Eles ficarão em formato de roda ou em pequenos grupos pelos quais o professor circulará. O objetivo principal é ampliar a participação do aluno.

Também se praticará ali o chamado ensino por projetos, já praticado hoje em muitas escolas públicas e particulares, que demanda o conhecimento de diversas disciplinas –em Nova York, por exemplo, um estudante construiu um banjo em um projeto, unindo música, física e matemática, entre outras matérias.

CREDENCIAMENTO

A brochura de apresentação da Avenues informa que “a escola está iniciando o processo de credenciamento junto às autoridades educacionais” brasileiras e que, portanto, “o processo de admissões (reserva de vaga) é provisório e condicionado” a isso.

Mas a informação não era uma preocupação de muitos dos pais presentes no encontro na terça-feira, entre eles médicos, empresários e apresentadora de televisão.

Uma preocupação mencionada em mais de uma roda era a preparação para universidades estrangeiras. “Uma das minhas filhas estudou na Europa. Quando voltou para cá e entrou na USP não aguentou, achou muito ruim”, comentou uma mãe.

A formação dos alunos em valores socioemocionais era uma preocupação de outra, que citou a importância da resiliência e da capacidade de trabalho em grupo e mencionou uma “falta de empatia” de parte da elite brasileira.

Greenberg diz que a diversidade será um valor, que a escola trabalhará com o entorno e que quer alunos brasileiros tanto na USP como nas melhores universidades dos EUA e Europa. “Precisamos ir além da bolha”, afirma.

Fonte: Folha de S. Paulo

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*